Lesões Ligamentares de Joelho

Os ligamentos cruzados são responsáveis pela estabilidade intrínseca da articulação do joelho. O ligamento cruzado anterior (LCA) é responsável por 86% da restrição do deslocamento anterior da tíbia, é o ligamento que apresenta ruptura completa com maior freqüência, sendo responsável por 50% de todas as lesões ligamentares do corpo.

Lesões Ligamentares de Joelho – Ligamento cruzado anterior (LCA) e Ligamento Cruzado Posterior (LCP).

Os ligamentos cruzados são responsáveis pela estabilidade intrínseca da articulação do joelho. O ligamento cruzado anterior (LCA) é responsável por 86% da restrição do deslocamento anterior da tíbia, é o ligamento que apresenta ruptura completa com maior frequência, sendo responsável por 50% de todas as lesões ligamentares do corpo.

A ruptura deste ligamento causa instabilidade crônica do joelho, a qual se não tratada pode evoluir para lesão meniscal, degeneração articular e doenças como a artrite e a artrose. A lesão deste ligamento é bastante comum no meio esportivo, principalmente nos esportes com saltos, giros e movimentos de aceleração e desaceleração bruscos, a instabilidade causada pela sua ruptura impossibilita a prática dessas atividades.

Lesões de ligamentos no joelho é comum no meio esportivo

 

 

Estruturas nervosas especializadas conhecidas como mecanorreceptores tem importância fundamental na reabilitação possibilitando os ajustes necessários para o equilíbrio, tudo isto sendo interpretado pelo sistema nervoso central, que controla o tônus muscular e os reflexos, informando o posicionamento e o movimento articular, dando a sensação somática relativa de posição estática e dinâmica.

Exemplo de protocolo simplificado de reabilitação para reconstrução do LCA elaborado por Campos (2010). Os primeiros cuidados serão durante 0 a 15 dias pós cirurgia trabalhando a mobilização da patela, exercícios isométricos com ganho de arco de movimento passivo de 0 a 90º e deambulação sem carga com imobilizador de joelho em extensão.

Na segunda etapa será o período de 15 a 30 dias pós cirurgia ênfase no ganho de arco movimento passivo, deverá ser completo, a deambulação será com carga parcial auxiliada por muletas com imobilizador em extensão e realização de exercícios isotônicos sem carga.

Na fase de 30 a 45 dias a carga para deambulação é total com imobilizador em extensão e realizam-se exercícios isotônicos sem carga com amplitude completa. De 45 a 90 dias a carga é total, porém já sem imobilizador e realizando exercícios de hidroterapia, natação e bicicleta ergométrica sem carga.

Durante a etapa de 90 a 180 dias o paciente já poderá fazer natação, musculação com exercícios de cadeia cinética fechada para quadríceps e aberta para isquiotibiais, step e esteira para caminhada. E antes da última etapa, durante os 180 a 240 dias o tratamento consiste de fortalecimento muscular global, esteira com caminhada e corrida, step e exercícios de propriocepção.

Após os 240 dias continua o tratamento com fortalecimento muscular e está livre para retorno ao condicionamento físico para o esporte desejável caso sinta confiança e segurança.

 

Thiele et al., 2009. Moreno et al., 2007. Pimenta et al., 2012