Tendinite

Tendinites podem acontecer em todas as faixas etárias, acomete 20% da população mundial e é a terceira desordem mais frequente do aparelho musculoesquelético.

Os sinais e sintomas clínicos são: dor, rigidez na região do ombro, dor ao dormir do lado afetado associada à restrição de amplitude de movimento. Devido a dor com incapacidade de executar atividades de vida diária, acomete 20% da população mundial, e é a terceira desordem mais frequente do aparelho musculoesquelético, ficando somente atrás de problemas nas regiões lombar e cervical.

Tendinites podem acontecer em todas as faixas etárias.

 

 

A tendinite do supra-espinhal é uma condição inflamatória que causa dor na região anterior do ombro, essas alterações podem ser causadas por trauma, excesso de uso (principalmente movimentos acima da cabeça), desequilíbrios musculares durante a atividade física ou movimentos repetitivos do ombro e cintura escapular. Especificamente na abdução e flexão, o paciente apresenta uma amplitude de movimentos passiva dolorosa e um movimento ativo limitado, e se sente apreensivo ao executar esses movimentos. O arco doloroso normalmente é de 60º a 90º de abdução e flexão. Nessa amplitude, o tubérculo maior do osso úmero pode pressionar o tendão do músculo supraespinhal sob o acrômio e o ligamento coracoacromial. Se a irritação do tendão for contínua, depósitos de cálcio poderão se formar e resultar em tendinite calcificada, podendo ocorrer fibrose associada ou degeneração articular.

Dentre as várias causas que podem levar ao surgimento dessa sintomatologia, estão as lesões dos músculos que fazem parte do manguito rotador relacionadas à síndrome do impacto subacromial. As lesões do manguito rotador podem acometer pacientes em todas as faixas etárias, sem predileção por sexo ou raça, sendo atualmente consideradas como a causa mais frequente de incapacitação crônica do ombro.

Turini, 2010. Rached et al., 2013. Giordano et al., 2016